domingo, 8 de março de 2009

Negão

Um amigo disse certa vez que Blogs são frescuras do tipo “Querido diário...”. O dos outros pode até ser. O meu não é. Como estive passando por uma fase ligeiramente estranha, resolvi dedicar um Post deste período a um outro amigo: meu dog.
A mãe deles já estava conosco havia anos quando nasceram, de cesariana, ele e o irmão. A pelagem de um era toda bege e cabeça branca, idêntica à da mãe. A do outro era completamente negra, com uma pequena mancha branca no peito e outra na ponta do rabo. O beginho, que não chegou a ser “batizado”, estava em melhores condições. O outro estava completamente desenganado.
Para nossa surpresa, na manhã seguinte, o beginho estava morto e o “Negão” firme e forte. Claro que esse não era o nome dele, que guardarei para mim. Era apenas um dos apelidos e atendia da mesma forma alegre e carinhosa de quando o chamávamos pelo nome.
Mamou sozinho e virou um “touro”. As costelas até ficaram ligeiramente quadradas antes de começar a andar, de tanto que engordou.
Adorava passear e brincar com uma bolinha de tênis. As pessoas perguntavam na rua a qual raça ele pertencia. Eu respondia todo orgulhoso que era um “dog street”, vulgo “vira-latas”. E de fato era mesmo.
Ele não era grudento do tipo que ficava te lambendo e alisando o tempo todo, mas gostava de um cafuné. Se parasse de mexer nele, logo cutucava com o focinho gelado para pedir mais. Latir era com ele mesmo, mas não o fazia a esmo. Apenas se houvesse algum desconhecido na vila. Qdo não estava latindo, ficava deitado ao nosso lado ou correndo pelo quintal. À noite, quando retornava do Cursinho, dava um pequeno assobio ainda na esquina. Ao chegar ao portão ele estava lá me esperando com o rabo abanando. Ele não era só o meu amigo. Era como um irmão. Era meu companheiro, meu fiel escudeiro.
Trouxe tantas alegrias à minha casa e falhei com ele no momento em que mais precisou de mim. Negão, vc não sabe como me dói lembrar disso. Espero que me perdoe por isso e que esteja bem, onde quer que seja.
Ele completaria 15 anos agora em fevereiro. Faleceu em dezembro de 2003, vítima de um câncer. Saudades eternas de vc.

3 comentários:

  1. existe amizade mais incondicional do q a canina???
    beijos

    ResponderExcluir
  2. "...bem onde quer que esteja..."
    Sei onde ele está! No seu coração!E este é um ótimo lugar para se estar...
    Falo por experiência própria!
    Fique bem e ele estará bem.

    B.D.Q

    Meg.

    ResponderExcluir