terça-feira, 31 de março de 2009

Divagações

Quem me conhece sabe que não escrevo sobre religião e afins.
Primeiro por ser um assunto complexo e de onde sairão discussões infindáveis. Segundo pq como futuro jornalista preciso exercitar a arte da imparcialidade e se fosse falar a respeito deste assunto seria o mesmo que jogar merda no ventilador e acabaria ganhando alguns desafetos em todas as vertentes religiosas. Exceto, é claro, na vertente que acredito me enquadrar melhor. E mesmo assim não faria “propaganda” dela.
Fiquei pensando num e-mail que recebi na semana passada e o engraçado é que o remetente foi a última pessoa de quem pensei receber mensagens desse tipo.
O e-mail tinha apenas três frases e dizia o seguinte:
“Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez”.
“Quando Deus tira algo de você, Ele não está punindo-o, mas apenas abrindo suas mãos para receber algo melhor”.
"A Vontade de Deus nunca irá levá-lo aonde a Graça de Deus não possa protegê-lo”.
Enfim, serve como um incentivo e estou refletindo a respeito.

domingo, 29 de março de 2009

Curitiba


Domingão, 29 de março. Aniversário de Curitiba, 316 anos.
Sou paulistano de nascimento, mas curitibano de coração. Esta é a cidade que escolhi para passar o restante da vida, então não podia deixar esta data ilustre passar em branco. Não há melhor imagem para ilustrar este Post do que o símbolo mais evidente e cartão postal mais do que conhecido: a estufa do Jardim Botânico.
Parabéns, Curitiba.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Suicídio

Suicidou-se com um tiro na boca na manhã desta segunda-feira, 23 de março, uma aluna de um conceituado colégio particular da cidade de Curitiba. O incidente ocorreu antes das 8h da manhã no toilette feminino do 5º andar. Por volta deste horário a polícia já havia isolado a rua do acesso principal por haver uma aluna supostamente armada com uma pistola nas dependências da escola. Na ocasião, a mesma ainda não havia atentado contra a própria vida e pouco antes do disparo informara às amigas que ouviriam um barulho estranho na sequência. O real motivo não foi esclarecido até o momento, mas há duas hipóteses, que são a de um término de namoro e a de a vítima haver sido fotografada nua e as fotos terem vazado na internet. A arma está devidamente registrada e pertence ao pai da vítima, delegado de polícia.
Este é um exemplo de notícia que não é divulgada por razões óbvias. Se ocorre um suicídio e o mesmo é divulgado, acaba virando “moda” e outras pessoas fazem a mesma coisa. Veja o caso Isabela. A partir do momento que foi divulgado com tanto sensacionalismo houve uma febre de crianças sendo arremessadas de sacadas de prédios e Shopping Centers e as respectivas mães alegando insanidade.
Há um consenso entre os profissionais do meio jornalístico para não divulgarem tais notícias devido aos motivos descritos acima. Neste caso particular há outro porém. O principal jornal impresso do Paraná pertence ao principal canal de televisão Paranaense e não há o menor interesse por parte destes em divulgarem o incidente pq o tal colégio é um anunciante de peso de ambas as mídias.
Como fiquei sabendo? Simples! Primeiro pq estou estudando jornalismo. Segundo pq ninguém é capaz de guardar segredo e, consequentemente, espalhou-se pelo boca-a-boca.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Pouco caso

Alguns anos atrás, logo que mudei para Curitiba, fui convocado para uma entrevista de emprego com o diretor de um grupo ligado à área de manutenção e instalação de alarmes e CFTV e a de vigilância, mas para atuar como técnico. Para resumir a estória de forma considerável, fiz a primeira entrevista (que ocorreu sem maiores problemas com relação a horário) com o diretor do grupo, o qual deixou bem claro que gostou da minha pessoa, não só pelo lado pessoal, mas também por ter sido o único a acertar todas as questões do teste teórico de eletrônica e lógica. Alguns dias depois foi marcada uma segunda entrevista, desta vez com o supervisor da área técnica.
Cheguei pontualmente no horário e me apresentei. Na sala haviam outros 15 candidatos sendo entrevistados individualmente. Por motivos de incompatibilidades de horário com o inicialmente sugerido pela “querida” do RH (sim, estou sendo irônico e sarcástico), fiquei por último. Ou seja, o combinado era às 11h, mas minha vez chegou apenas às 15h.
A entrevista foi um fiasco, pois o supervisor era um burocrata bitolado, preconceituoso e alienado que não me contratou única e exclusivamente pelo motivo de eu ser cabeludo e usar cavanhaque. Isso ficou bem claro nas palavras dele. Bem lá no fundo acredito que tenha sido por inveja das minhas madeixas, pois o cara ficou divagando sobre os longos anos que passou no Exército. Pobre coitado.
O que me deixa mais indignado não é o preconceito e limitações (culturais, éticas e morais) das pessoas ligadas a RH´s, mas sim o pouco caso destas com relação a quem busca uma nova colocação no mercado de trabalho e que raramente cumprem o horário combinado para as entrevistas. Às vezes comparo os encarregados de RH com médicos, que acham que têm o rei na barriga. Os médicos acham que são deuses, os “RH´s” tbm pelo motivo básico de decidirem quem fica ou quem vai para o “olho da rua”. Muita calma nessa hora. Em tempos de crise, qualquer um está sujeito a levar um “pé na bunda” e o jogo pode facilmente ser invertido. Nada impede que eu venha a entrevistar aquele supervisor bitolado algum dia...

Strawberries


Chega de colher estolhos de morango...

sábado, 21 de março de 2009

Reflexões


“O outro é o eco do eu”.
Será que os pichadores, vândalos desocupados, estão evoluindo mental e culturalmente? Talvez sim, talvez não.
“Depende do nível de afavelamento do cidadão”, conforme diria um antigo professor.
O fato é que continuam sujando nossas cidades com seus rabiscos, inclusive nos lugares mais inusitados possíveis. O curioso é que eles não fazem essa imundice onde há “grafite”.
De qualquer forma, a frase da pichação nos faz refletir.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Somewhere Back in Time


Esse domingão ficará marcado na memória.
"Macaco-velho" para shows que sou, fui sábio ao chegar ao autódromo o mais rápido possível. A fila dava voltas e mais voltas. Cheguei ao local por volta das 14h, horário marcado para abertura dos portões. Por motivos alheios aos meus conhecimentos, os mesmos foram abertos apenas
às 16h. Nesse meio tempo que aguardava na fila fiquei sujeito ao temporal que caiu no meio da tarde. Alguns usavam capas de chuva, mas a maioria não. Bangers fiéis, não arredamos pé da fila (e mesmo que tivéssemos, não havia abrigo nas proximidades). Não sei se foi por estar sem camisa, mas tive a sensação de ter caído granizo. Fiquei ensopado e com frio, mas foi divertido. Há muito tempo que não tomo uma chuva dessas.
Adentrei aos portões por volta das 18:30h e, como já previa, o lamaçal havia tomado conta de tudo. Fiquei coberto de lama até os joelhos e me senti como em Woodstock.
Pontualmente às 19h a banda de abertura, liderada por Lauren Harris, filha do baixista Steve Harris, entra no palco para tentar animar a galera anciosa pela apresentação do line up, a Donzela de Ferro.
A performance de Lauren foi um tanto quanto broxante, para falar o português claro. Eu já não aguentava mais. Ainda bem que durou apenas 40min. Por decisão da Donzela, o show principal começou com uma hora de atraso por haver ainda muitas pessoas do lado de fora do autódromo na hora marcada inicialmente.
Vinte e uma horas em ponto todas as luzes se apagam e um playback de Transylvania é executado enquanto são exibidas imagens da chegada e pouso do avião da banda, o Eddie Force One. Em seguida é executado o famoso discurso de Churchill e a banda adentra ao palco com a explosiva Aces High, seguida de 2 Minutes to Midnight.
O set list contou também com Wrathchild, Children of the Damned, Phantom of the Opera, The Trooper, Wasted Years, The Rime of the Ancient Mariner, Powerslave, Run to the Hills, Fear of the Dark, Hallowed Be Thy Name e Iron Maiden. O bis foi curto, mas não menos
explosivo e contou com The Number of the Beast, The Evil That Men Do e encerrou com Sanctuary.
A pirotecnia foi outro fator importante que chamou bastante a atenção e deu um gostinho a mais ao espetáculo. Outra novidade é que a Donzela planeja lançar novo álbum de estúdio em 2010 e Sampa será uma das datas iniciais da nova turnê mundial, segundo o vocalista Bruce Dickinson. Mais uma vez o Iron Maiden faz jus ao nome e ao grande número de fãs e dizer que a apresentação foi ótima é chover no molhado. Resumindo, foram simplesmente fodásticos.

sexta-feira, 13 de março de 2009

De volta às origens

A proposta inicial deste Blog é escrever sobre diversidades, principalmente assuntos que dão “pano para a manga” e/ou “polêmicos” ou então críticas às pessoas e/ou costumes. Devido a uma montanha-russa de emoções e sentimentos, permiti expressar-me fugindo um pouco à regra. Este período, apesar de conturbado, será sempre lembrado com muito carinho. As coisas ainda estão um pouco confusas, mas entrando nos eixos. Voltarei a me ater à idéia central. I´m fucking back!

domingo, 8 de março de 2009

Negão

Um amigo disse certa vez que Blogs são frescuras do tipo “Querido diário...”. O dos outros pode até ser. O meu não é. Como estive passando por uma fase ligeiramente estranha, resolvi dedicar um Post deste período a um outro amigo: meu dog.
A mãe deles já estava conosco havia anos quando nasceram, de cesariana, ele e o irmão. A pelagem de um era toda bege e cabeça branca, idêntica à da mãe. A do outro era completamente negra, com uma pequena mancha branca no peito e outra na ponta do rabo. O beginho, que não chegou a ser “batizado”, estava em melhores condições. O outro estava completamente desenganado.
Para nossa surpresa, na manhã seguinte, o beginho estava morto e o “Negão” firme e forte. Claro que esse não era o nome dele, que guardarei para mim. Era apenas um dos apelidos e atendia da mesma forma alegre e carinhosa de quando o chamávamos pelo nome.
Mamou sozinho e virou um “touro”. As costelas até ficaram ligeiramente quadradas antes de começar a andar, de tanto que engordou.
Adorava passear e brincar com uma bolinha de tênis. As pessoas perguntavam na rua a qual raça ele pertencia. Eu respondia todo orgulhoso que era um “dog street”, vulgo “vira-latas”. E de fato era mesmo.
Ele não era grudento do tipo que ficava te lambendo e alisando o tempo todo, mas gostava de um cafuné. Se parasse de mexer nele, logo cutucava com o focinho gelado para pedir mais. Latir era com ele mesmo, mas não o fazia a esmo. Apenas se houvesse algum desconhecido na vila. Qdo não estava latindo, ficava deitado ao nosso lado ou correndo pelo quintal. À noite, quando retornava do Cursinho, dava um pequeno assobio ainda na esquina. Ao chegar ao portão ele estava lá me esperando com o rabo abanando. Ele não era só o meu amigo. Era como um irmão. Era meu companheiro, meu fiel escudeiro.
Trouxe tantas alegrias à minha casa e falhei com ele no momento em que mais precisou de mim. Negão, vc não sabe como me dói lembrar disso. Espero que me perdoe por isso e que esteja bem, onde quer que seja.
Ele completaria 15 anos agora em fevereiro. Faleceu em dezembro de 2003, vítima de um câncer. Saudades eternas de vc.

Mulher

Queria postar algo em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, mas me deu um branco danado e não consegui escrever nada. Por isso resolvi plagiar mais uma vez para esta data não passar em completo esquecimento. ;)
Este post é dedicado às mulheres da minha vida (mãe, irmã, vós, tias, prima e amigas), as quais eu não viveria sem.

Peça para um homem descrever um Mulherão.
Ele imediatamente vai falar no tamanho dos seus seios, na medida da cintura, no volume dos lábios, nas pernas, bumbum e cor dos olhos. Ou vai dizer que tem que ser loira, 1,80m, siliconada, sorriso colgate.
Mulherão, dentro deste conceito, não existem muitas: Vera Fischer, Letícia Spiller, Malu Mader, Adriane Galisteu, Lumas e Brunas.
Agora pergunte para uma mulher o que ela considera um Mulherão e você vai descobrir que tem uma em cada esquina.
Mulherão é aquela que pega dois ônbus para ir trabalhar e mais dois pra voltar; e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupas e uma família morta de fome.
Mulherão é aquela que vai de madrugada para fila garantir a matrícula do filho na escola.
Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda à sexta, e a família todos os dias da semana.
Mulherão é aquela que sai do trabalho e vai pra faculdade estudar até tarde para ter uma vida mais digna.
Mulherão é aquela que volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismo com o orçamento.
Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta, que malha, que usa salto alto, meia-calça, ajeita o cabelo e se perfuma mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista.
Mulherão é aquela que leva e busca os filhos na escola, leva os filhos para natação, balé, leva os filhos para cama, conta estórias, dá um beijo e apaga a luz.
Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, e que de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite.
Mulherão é aquela que leciona em troca de um salário mínimo, é aquela que faz serviços voluntários, é aquela que colhe uvas, é aquela que opera pacientes, que opera máquinas, é aquela que lava roupas pra fora, é aquela que bota a mesa, cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás de um balcão.
Mulherão é quem cria os filhos sozinha, que dá expediente de oito horas e enfrenta menopausa, TPM e menstruação.
Mulherão é aquela que arruma o armário, coloca as flores nos vasos, fecha a cortina para o sol não desbotar o sofá, mantém a geladeira cheia e os cinzeiros vazios.
Mulherão é quem sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio pra azia.
Lumas, Brunas, Carlas, Luanas, Sheilas: mulheres nota dez no quesito lindas de morrer, mas...
Mulherão é aquela que mata um leão por dia pra sobreviver.

Por Martha Medeiros

domingo, 1 de março de 2009

Desejos

video